Carmen da Silva

 
Página InicialProduções »

Artigos sobre a Autora

 

A arte de ser mulheróloga

ROCHA, Patrícia. Zero Hora, Porto Alegre, 3 de janeiro de 2010.

Página de A arte de ser mulheróloga
Página de A arte de ser mulheróloga

Caderno Donna, p. 8-11.

Intitulada “A arte de ser mulheróloga”, a reportagem de Patrícia Rocha foi publicada no jornal de maior circulação no Rio Grande do Sul apenas alguns dias depois da data em que Carmen da Silva completaria 90 anos (19/12/2009). A jornalista gaúcha recupera inicialmente os símbolos do feminismo brasileiro, destaca o nome de Rose Marie Muraro declarada “a patrona do feminismo nacional” pelo então presidente Lula, em 2005. Mesmo assim, a própria Rose Marie, lembra Patrícia em sua alentada reportagem, aponta a precursora Carmen da Silva, sua “mestra” e diz: “uma gaúcha de Rio Grande que, de 1963 até sua morte em 1985, tomou para si a tarefa de despertar a consciência das mulheres nos provocadores textos que escrevia na coluna A arte de ser mulher, na revista Claudia”. Patrícia Rocha lembra ainda que Carmen teve uma vida quase tão transgressora quanto uma de suas fontes de inspiração, a escritora francesa Simone de Beauvoir; e tão singular que deixou uma lacuna: ninguém mais mereceu o título de mulheróloga, outorgado pelo colunista Stanislaw Ponte Preta”.

Membro efetivo honorário dos movimentos feministas brasileiros, a jornalista mais influente da imprensa feminina militou em tempos em que o movimento era limitado, já que a época não permitia reinvidicaçoes muito amplas. As únicas mulheres que podiam falar ou reivindicar alguma coisa eram as de classe alta. No princípio o movimento foi silenciado, só retomando de certo modo por intermédio da Claudia, quando Carmen começou a fazer sua pregação feminista.

 

 

Licença Creative Commons
Este site está licenciado sob Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.
A idealização, a responsabilidade e os textos introdutórios deste site são de Nubia Hanciau, professora do PPG-Letras-FURG.
O projeto gráfico é de Gilberto Bielenki Júnior.