Carmen da Silva

 
Página InicialObra »

Bibliografia

 

Sangre sin dueño

1965

Capa de Sangre Sin Dueño
Capa de Sangre Sin Dueño

Com este romance processa-se a reintegração da ficcionista Carmen da Silva no Brasil, após dezenove anos de ausência, período em que viveu no Uruguai e na Argentina, tendo escrito romances e peças teatrais em castelhano e inclusive, como já foi dito anteriromente, conquistado o Prêmio Romance da Sociedade Argentina de Escritores (SADE). Trata-se da história de uma mulher que, educada dentro das linhas mais tradicionais de nossa sociedade, busca a própria realização e integridade, em suma, busca a identidade. Sob aparência boêmia e por meio de várias experiências amorosas, é constante em sua vida a procura da autêntica liberdade interior que conquista finalmente, quando desperta para o mais exigente dos amores, o amor do povo. Junto ao povo, irmanada com seu sofrimento e fome de justiça, a heroína do romance sente por fim que seu sangue, sendo de todos os desvalidos do mundo, não tem dono, é o sangue de um ser livre. Na edição brasileira da Civilização Brasileira, coleção Vera Cruz, o romancista Campos de Carvalho em sua apresentação afirma que se trata de “um dos livros mais terrivelmente lúcidos de que há notícia em qualquer tempo e em qualquer literatura”. Para os argentinos a tradução Sangre sin dueño, cuja tradução é de Juan José Hernandez, de apresenta ainda o atrativo: as considerações que, como povo, suscitaram na inteligente despreconceituosa brasileira Carmen da Silva, que viveu na capital portenha por muitos anos.

 

Licença Creative Commons
Este site está licenciado sob Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.
A idealização, a responsabilidade e os textos introdutórios deste site são de Nubia Hanciau, professora do PPG-Letras-FURG.
O projeto gráfico é de Gilberto Bielenki Júnior.